O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 8 de julho de 2009

Vive às avessas. Enraíza-te no céu.

26 comentários:

burrinha de todo disse...

A primeira frase resume-me.
A segunda frase sugere a existência de raízes e de céu. Não entendi.

Anónimo disse...

és tão avançada...

Paulo Borges disse...

A primeira frase sugere a tua existência. Não entendi.

curiosidade disse...

Anónimo, és tão retrógrado...

Avançado Mestre - Explica-me a segunda frase.

Nuno Maltez disse...

As pessoas normalmente criam raízes na terra. Vivendo às avessas criariam raízes no céu. Mas... o que é o céu?

alvitre disse...

Pois é Mestre. Fazes sempre orelhas moucas às questões importantes.
Devias tornar-te sábio.

Filosofá disse...

Lá tenho que ser EU a explicar, não é?

Céu = C + EU

Deus = D + EUS

Vida = CD

Nuno Maltez disse...

Na espiritualidade, há que ter em conta o contexto. De facto, tendo vivido no Alentejo, noto que a espiritualidade não-cristã é muito virada para a terra, dado que esta tem sido o meio de sustento e que há uma espécie de "reverência" por esta. Para além disso, as pessoas lá estão mais ligadas à morte, porque há funerais (quase) todos os dias. Na cidade, pelo contrário, estamos desligados da terra e da morte, do princípio e do fim, vivendo numa espécie de limbo do qual não se sabe de onde vem nem para onde vai (ninguém sabe). Lembramo-nos quando infelizmente vamos parar ao hospital com algum problema, momento em que por artes mágicas nos tornamos humildes. Para mim, o céu é o palco dos sonhos, mas apenas porque a minha infantil espiritualidade vive da imaginação e do êxtase por esta e/ou pela sensibilidade. Claro que tudo ito é conversa e importa é viver. Beijinhos e abraços.

Nuno Maltez disse...

Daí que, não roubando palavras mas pegando em ideias, escreveria o seguinte:

Vive. Desenraíza-te.

Ou "vive desenraizado" ou mesmo apenas "vive".

Nuno Maltez disse...

Filosofá: a-d-o-r-e-i.

vivinha da silva disse...

"Desenraíza-te." Para quê agravar mais o problema?

bandeira disse...

Hu Jientao?

Nuno Maltez disse...

Agora não tenho tempo. Tenho de ir a uma entrevista a um call-center para depois vos entrar em casa pelo telefone a vender-vos produtos completamente inúteis.

sissi disse...

Isso, Nuno. Não é diferente do que faz a maioria dos postadores e comentadores aqui.

compreensiva disse...

Vai lá entao e boa sorte nas visitas domiciliárias. Cá estaremos para vos fornecer todas as informações inúteis de que os museus são feitos.
Valha-nos o gasóleo para encher os tanques da desinspiração...

Ámen

Inútil disse...

O que há a dizer quando tudo de sábio e estúpido já foi dito!?...

U2 disse...

Não sei?

Aurora disse...

Acho a frase completamente compreensível e apelativa. Por que se fazem tão desentendidos?

Mas

1. O céu não é uma ilusão? Como enraizar-me no inexistente?

2. Viver às avessas oxigena o cérebro. Literalmente. Com o tempo quem sabe se não explodiriamos num big bang microcósmico?

p.s. Adoro estar a blogar em reuniões entediantes...

Paulo Borges disse...

O céu é não haver raízes, nem céu, nem quem se enraíze. E ao mesmo tempo tudo florir e frutificar.

O supra-céu é não ter de o explicar.

aurora disse...

Virou-me do avesso.

Portugal: acção na Luz disse...

Meninas, vamos ó vira ó ai
Cu vira é coisa boa.
Eu já vi dançar o vira ó ai
Às meninas de Lisboa

(...) Há mais!

Kunzang Dorje disse...

A meditação ajuda o enraizamento no céu?

ajudia disse...

No céu, em raiz, medi tacão.

Paulo Borges disse...

Meditar é o florir do espaço.

saudadesdofuturo disse...

Nesse lugar quero estar, mas o querer é já lugar de um outro desejar. As avessas de um lugar é esse mesmo lugar às avessas. Estamos sempre a atravessar os vasos dessa transmutação, nesse milagre alquímico vivemos. Somos corpos de luz, simetrias!

Madalena disse...

Vive às avessas e pronto.