O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 25 de julho de 2009

"A ironia é a consciência clara da agilidade eterna, do Caos infinito e completo"

- Friedrich Schlegel, Fragments, 69, traduzido e apresentado por Charles le Blanc, Paris, José Corti, 1996, p.233.

(Para a Liliana Jasmim, com votos de um irónico e ágil Aniversário)

6 comentários:

Anónimo disse...

sou burro. juro que não percebi. de qualquer dos modos parabéns à Liliana, apesar de não a conhecer.

agilidade eterna disse...

Há juras que não se devem fazer porque assentam no óbvio.
(Esta frase é um excelente exemplo de ironia. Tenhos outras que posso emprestar.)

Paulo Borges disse...

A ironia é o sorriso do Caos.

sorrindo disse...

A ironia é o sorriso dos deuses. Nós sorrimos o Caos.

Isabel Santiago disse...

Parabéns Liliana dos poemas sempre belos. Um ano ainda mais cheio de poesia no olhar e no coração.

Liliana Jasmim disse...

Ora poças,

hein? que cheguei tarde para o agradecimento :)

Foi prendada mensagem, mas que estou aqui em demora a tentar absorvê-la e compreendê-la ahahhahahah

leva tempo, que isto de se ser novo tem destas coisas.

Obrigada Paulo:)

e à Isabel Santiago, pelas leituras atentas, e palavras sempre
cuidadas e com uma certa estima - que embora não a conhecendo - é da minha parte mútuo.