O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 25 de julho de 2009

Se vives para ti estás morto

13 comentários:

sical disse...

se para ti vives morto estás

premissa disse...

Se estás morto, não vives para ti.

Paulo Borges disse...

Se vives morres. Transcende vida e morte. Reconhece-te desde sempre além.

Anónima disse...

Se vivo morro. Se morro morro. Se não há como escapar para quê o inútil esforço?
Reconheço-me além, onde? Aqui?

parasensorial disse...

Calma. A frase refere-se à falta de sentido da vida para quem vive para si: para o seu trabalho, a sua casa, o seu carro, as suas contas, as suas coisas. A falta de sentido da vida para quem "vive materialmente" sem comunhão com os outros, sem diálogo, sem afectos. Isso é a morte em vida. Penso que o "reconhecermo-nos desde sempre além" é reconhecermos que morreremos física e espiritualmente, mas que neste momento podemos transcender isso, num momento fugaz - nesse momento não somos nem deixamos de ser eternos, apenas somos isso. É a única transcensão de vida e morte que de momento consigo reconhecer. O meu corpo estará aqui, certamente, mas a consciência estará (des)atenta a outras paisagens. Voltando ao post, refere-se exclusivamente ao sentido da vida e como viver bem.

parasensorial disse...

Anónima: penso que o problema é precisamente esse, o esforço. Conheces algum amor que vá lá com esforço? O mesmo será o caso a meu entender para a transcensão. Ocorre naturalmente. Penso que poderás treiná-la, mas há no blogue pessoas indicadas que não eu para falar sobre isso.

Nunca Mais disse...

Somos (quase) todos mortos-vivos.

Paulo Borges disse...

Anónima, não há além senão aqui, agora, a cada instante! Isso é já a transcensão de toda a dualidade, sempre falsa, entre opostos.

terráquea disse...

Alguém me explica o que é o diálogo? Farto-me de dialogar e contudo raramente me ouvem, e acima de tudo, raramente oiço. É barulho apenas. A minha comunhão com os outros sempre foi livresca, platónica, secreta, de morto para morto, dentro de uma felicidade genuína de verdades partilhadas sem gente à volta a perturbar o silêncio. As minhas estantes são feitas de túmulos que gosto de visitar e pôr flores. Sinto um respeito profundo por aqueles que se confessam, não importa o quê.
As pessoas interessam-me enquanto fazedores de música. Por isso, ando em caixotes de lixo como este. É assim o sentido da vida...

Paulo Borges disse...

Dou-te razão, terráquea. Também tenho as paredes forradas de túmulos e também acho que o suposto diálogo é quase só ruído. Resta-me apenas esperar que este caixote de lixo seja pelo menos daqueles feitos de rede, com aberturas para o espaço livre. Mesmo que prefiramos passar o tempo aqui dentro, a remexer-nos e a atirarmos comentários (?) à cabeça uns dos outros.

arredia disse...

Sim. Pois. É. Já tinha reparado, desde o início,na ração, desculpa, razão que dás aos outros.

parasensorial disse...

Terráquea, bom sarcasmo :) Penso que tu própria defines "diálogo" no teu comentário: ouvir e ser ouvido. Ir para lá do barulho de que falas. Diria mesmo que é aquilo que não perturba o silêncio.

Anónimo disse...

talvez nem morto nem vivo