O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 17 de julho de 2009

Luxúria

“Luxúria, luxo, comércio, indústria, ciência, filosofia devem ser abominadas quando se exercerem apenas numa forma terrena, alheada dos Céus. Mas quando o sopro divino destes animar quaisquer ocupações da Vida, quando essas ocupações forem formas particulares de ascese, então eles se divinizarão, saindo da sua atitude profana e herética. Enquanto só da Terra é que tudo é condenável, desde a vida do lar ou a actividade bruta e inteligente das oficinas até à prostituição ou aos movimentos sociais revolucionário. […] Desde que tenhamos só preocupações humanas, terrenas, não sentindo exclusivamente Deus em toda nossa vida, somos infernalmente condenados, quer haja em nós honestidade quer haja desonra. O que devemos é viver só para Deus, na luxúria, na pomba e em toda a vida. […] O pai que se preocupa muito com os filhos, o comerciante honrado que pensa muito nos seus negócios, o escroc que só vive para as suas trapalhices, são igualmente abomináveis visto as suas preocupações serem da Terra e não dos Céus. Não encontro neles diferença alguma. E na mesma ordem de ideias abomino, no fundo, a luxúria que não e de místicos e não se exerce misticamente. Mas quando assim se exerce o caso e diferente, então Sodoma divina-se.”

Raul Leal, Sodoma Divinisada, p. 12

28 comentários:

contraditório de luxúria disse...

"A lei suprema da Vida é a lei do sacrifício."

"A lei do sacrifício é a lei do amor e do trabalho."

"O português, ser individual e humano, deve sacrificar a sua vida à Pátria portuguesa-; ser espiritual e divino."

Teixeira de Pasco ais

Maria Ana Silva disse...

Ora bem, eis o cerne desta crise humana.

Luluxúria disse...

A virtude, a razão e a lei são as rédeas das paixões.Ouvi dizer.
Eu até sei disso, mas custa-me amar o inimigo, dar a outra face depois de ter levado com um paralelo, não julgar, sacar a viga do próprio olho, deixar os mortos enterrarem os mortos, ir como cordeira entre lobos, não levar a pochete,nem o alforge nem as sandalecas, berrar aos quatro ventos que o reino dos céus chegou, pedir que nem uma doida para me ser dado, não me preocupar nadinha com a vida e procurar o reino de Deus que nem sei onde é não é para mim.
Só a descrição já me cansa.

Igreja Católica disse...

Acabaste de ser excomungada. Banida desta casa... ó luxúria maldita!

Absolvição disse...

volta! estás perdoada!

vai e vem disse...

eh eh
Aí o mestre diz que "a tragicomédia existenciante, pela conversão da loucura criadora em redentora, ou pelo triunfo de uma orientação que a precede e desde o início lhe é íntima, procedente que é da própria irredutibilidade do Absoluto à sua manisfestação e ao que dele, como divino-diabólico, nela e por ela se determina, tende pois a conhecer uma solução escatológica benigna, sugerida como a reintegração universal dos entes fenoménicos na sua supra-determinação primordial e meta-essencial."

Eu acredito nisto.

Paulo Borges disse...

Enorme Raul Leal! O próximo grande e maldito pensador português a ser descoberto!

Nunca Mais disse...

Ler Raul Leal é uma Vertigem.

Queda livre disse...

Lanço-me no Abismo...

Maria disse...

Dirk, há uma amiga nossa que diz que o Raul Leal é "louco, profético e demencial", concordas?

"Amiga nossa..." disse...

Tem o melhor conceito de vertigem, tem a cabeça mais em roda viva que já li; tem a cabeça voltada para o deserto e escuta-se a si antes do tempo dos profetas, tem as palavras a escorrerem-lhe pela graganta como um líquido inflamado; tem a insanidade dos que conseguem o perdão do imperdoável, tem a força de um vulcão a arrebatar as nossas falsas Pompeias.
Raul Leal empresta ao leitor toda a vida que a vida mata. Viva o Raul Leal!

sentença disse...

O Raul Leal tem todos os sintomas de um deserdado.

camaleão, ah,ah, disse...

A "nossa amiga" não acredita no que lê, nem no que diz.

Paulo Borges disse...

deserdado de quê?

n ossa disse...

De si próprio. Quem precisa do exterior para se sentir é porque está vazio.
Divinizar... Có(s)mico!

Nossa Amiga disse...

Acredita no que lê e no que diz, ah, ah... mas também há uma diferença não é camaleoa, é mais género fantasmático!

Saudações Lealinas.

A testamentária disse...

Provavelmente, Raul Leal seria um deserdado porque nada deste mundo se lhe adequaria e nem ele aceitaria...

desadequação disse...

É um problema comum, lá isso é.

adequação disse...

Um camaleão é um arco-íris animal, camuflado, com boa visão periférica. Com estilo!

continuação disse...

Um desadequado inteligente porque se adequa. Um técnico do disfarce. Calmo, lento, ágil na língua, fingindo-se na verdade. Fantasmicamente budista.

camaleão disse...

Serei budista?

budista disse...

Serei camaleão?

Observador disse...

Sereis idiotas?

Certamente.

juba disse...

Pronto! É sempre isto. Há sempre um animal falho de paciência!

Nossa amiga disse...

Acredita no que ele escreve... mas não acredita nela... e isso porque é uma pedra que não se move com o olhar compassivo e generoso dos bons.

penedo disse...

Esculpir é mentir a pedra.

calhau disse...

Uma pedra é uma pedra. Não tem que se mover.

De memória disse...

Acho que houve um filósofo alemão que disse que uma pedra move-se com o olhar, mas uma mulher não... que me perdoem os puristas das citações.