O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 19 de julho de 2009

ausência



Não se repete o que é eterno

A dança de dentro na quietação do pleno

A paixão da luz que se entrança

Nas coisas desertas de mim

A sede a frescura presa a dois dedos de conversa

Conversos ao sonho voamos na largura que nos tem

No regaço da noite presa por pouco

Ao sorriso de alguém

Pode até ser a imaginação e tudo mais

A irromper do fundo de onde o escuro brota

Para fecundar a claridade

A intensidade do olhar

Nada tem que o torne presa da concretude

Num dia o universo inteiro se faz no dia

O que nos chega descoberto ou não

Mas tudo é mais que tudo

Se visto com o coração

Até a sombra do que foi

Os restos só são restos na incompletude da memória

8 comentários:

platero disse...

bom regresso

com um auspicioso taleigo de palavras
abraço

São disse...

A verticalidade do poema na horizontalidade da poesia... Mera hipótese do poeta!

Julio Teixeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Jogo de palavras...
?! quem sabe?

ausência de tudo disse...

"No Budismo atende-se a que as coisas sejam simplesmente o que são, sem sequer se pretender dizer que assim o sejam, sem adjectivações, etc."

Marga absolvido ou o caminho da cruz? - Revista Lusófona de Ciência das Religiões

O mundo sem adjectivações... Não compreendo. O mundo sem seres “humanos”? Um mundo de estátuas de cera, sem poetas, sem música, sem arte, sem humanidade? Que mundo é esse? Substantivamente asséptico, pelo que, existencialmente estático?
Criar é adjectivar. Construir é adjectivar. Amar é adjectivar. Odiar é adjectivar. O adjectivo espreita em todos os substantivos, dá-lhes alma, extrai-lhes alma… O adjectivo é mestre, é caminho, é percurso, é pelo adjectivo que vamos... que podemos modificar o substantivo que não queremos ser. Vivam as flexões de género, de número, de grau normal, comparativamente superiores, iguais ou inferiores ou superlativamente absolutas ou relativas. São injustas? Talvez. Mas tudo já nasceu condenado. O Buda sentado não tem razão. A culpa não é do adjectivo, mas do Verbo. O Verbo age indiscriminadamente, temporalmente, atingindo tudo e todos, tentando-nos endiabradamente com todas as possibilidades de ser e fazer. O Verbo esteve nisto desde o princípio. Foi ele que se fez carne. Mas se tudo está condenado por causa da carne, deixemo-nos ao menos senti-la enquanto estamos! Que os sentidos adjectivais me tragam o mundo do Buda, a cores, ainda que ilusório e fútil, ainda que irreparável, ridículo e formalmente morto! Quero as palavras abertas, irrequietas, desassossegadas, terríveis, plácidas, belas, a rasgar janelas em cada túmulo, a salvar mendigos e príncipes por céus que não se esgotam, montados em tapetes voadores de sonhos possíveis! Que se divinize a luxúria e a sagrada mãezinha e a avó e o lobo mau e que o capuchinho caia na lama de que são feitos todos os santos e que os heróis, ao salvar um de nós, se salvem da mediocridade de nós e que os mitos continuem a apoiar as bengalas em que florescemos porque enquanto “porcóreos”, somos tudo isso e menos do que isso é ser pó sem hipótese de Deus. E, se no princípio era o Verbo, no fim será o Adjectivo porque o Adjectivo há-de cumprir o papel supremo e final para o qual foi criado.

“Sursum corda! Erguei as almas! Toda a Matéria é espírito.” F. Pessoa

Que pena eu não acreditar nisto!

Sereia* disse...

Caro Paulo,

na verdade, estas ausências, quando as sinto, fazem-me sorrir de saudade.
Porque me fazem lembrar de como fui feliz, em presença.

Beijinhos de Sereia*

Paulo Feitais disse...

Caro Platero... :)
Sereia! Toda a ausência é símbolo da Presença. :)

E agora, um breve comentário às palavras do comentário mais extenso:

Considero que é impossível ser-se "budista". O Dharma não precisa de defesa porque, desde sempre que está aberto à refutação. Ou à falsificação, se quisermos ser popperianos.
A cada momento da minha vida procuro alcançar essa refutação. Isso ajuda-me a compreender as minhas falhas e também que "quem se falha na vida, não encalha", por assim dizer.
Quanto aos adjectivos, são qualquer coisa de segundo, algo que juntamos às coisas e às experiências, no fundo, a tudo quanto vivenciamos. Como se as coisas, essencialmente despidas de atributos, necessitassem de se ver revestidas pela nossa subjectividade.
Talvez seja tudo uma questão de crença. E muitas vezes as crenças acontecem-nos, não dependem da nossa vontade. Fazem parte da nossa facticidade. Aparecem-nos como o que traça a fisionomia da verdade em nós, ou para nós.
Mas muitas vezes também a nossa vontade nos acontece. E parece que a vida tem que ter um sentido, manufacturado, imposto pela lógica sem ambivalência, sem paradoxo.
Se conseguirmos alcançar a raiz do que acontece, talvez deixemos de precisar acreditar seja no que for.

Nunca Mais disse...

Despertar, do verbo e dos adjectivos!