O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

OUTONO

silencioso Outono

no cinzento opaco
da madrugada
ouve-se o sussurro
do respirar
da casa

8 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
platero disse...

JCN

obrigado.
Como sempre-inspirado

abraço

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
platero disse...

Julgo que ninguém - a não ser eu -
o identificou no Blog.

FAUSTA e os demais heterónimos, está-se mesmo a ver

abraço, continuação de boa inspiração

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Flávio Lopes da Silva disse...

belíssimo poema!

grande abraço

platero disse...

Contudo alterado

abraço grande