O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 5 de setembro de 2010

"Creio que podia regressar e viver com os animais"

Creio que podia regressar e viver com os animais, são tão plácidos e autónomos,
Fico a olhar para eles longamente.

Não se impacientam, não se lamentam da sua condição,
Não jazem acordados no escuro a chorar os pecados,
Não me maçam com discussões sobre os seus deveres para com Deus,
Nenhum está descontente, nenhum sofre da mania de possuir coisas,
Nenhum se ajoelha perante o outro, nem ante os antepassados que viveram há milénios,
Nenhum é respeitável ou infeliz à face da terra.

Walt Whitman, Canto de mim mesmo, Lisboa, Assírio e Alvim, 1992, XXXII, pp.78-79

7 comentários:

nj disse...

os seres do silêncio.

platero disse...

Pois bem

gosto deles mas tb de Withman

já tenho acordado com javalis à porta, ou perdizes banqueteando-se com restos de comida dos gatos.
Um tiro de caçadeira nelas e teria garantidas duas ou três deliciosas refeições.
dois disparos contra ele - mesmo sem sair de casa - e teria carne para meia-dúzia de meses.

assim não aconteceu, e felizmente ainda não morri de fome

abraço

paladar da loucura disse...

deve ser bom esse lugar onde moras

platero disse...

Paladar

vivo num Monte alentejano - junto de ribeira. No Inverno é um pouco agreste

beijinho

Kunzang Dorje disse...

bem... vê lá se me dás um tiro quando me banquetear com os restos dos teus gatos... ainda me confundes com um saca-rabos!

platero disse...

que abundam por aqui.
mais as colegas raposas

os saca-rabos são semelhantes aos elefantes. É giro. E hás-de saber porquê:
pela forma como se deslocam em "manada"
-correndo sempre, pegando o rabo do parceiro da frente, não é?

burguesia da Serpente é que não sabe nada disto

abraço

paladar da loucura disse...

Antes que chegue o Inverno convida-nos a saborear essa natureza