O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


segunda-feira, 5 de julho de 2010


«Só o sexo da freira é assaz alto para ser, ao mesmo tempo, mais largo e mais profundo. Esconde todos os homens numa matriz escavada pelo infinito. Realiza juntamente o que a prostituta busca de maneira superficial e o que a amorosa mãe transporta de maneira estreita. É a parturiente do Reino. É a autêntica galdéria».

Fabrice Hadjadj, "A Profundeza dos Sexos. Para um mística da carne"

6 comentários:

Rui Miguel Félix disse...

Na fotografia, o aparo, o papel, a projecção mental e o olhar fixo elevado, fazem-me lembrar Sóror Mariana, de Júlio Dantas.

Menino Jesus da Cartolinha disse...

Talvez ele se tenha inspirado em Santa Teresa de Jesus.

Rui Miguel Félix disse...

Talvez.

Abraço

Kunzang Dorje disse...

onde encontrar essas freiras?

Paulo Borges disse...

Eis um excelente livro e um belo trecho.

Paulo Borges disse...

Eis um belo livro e um belo trecho.