O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 8 de julho de 2010

Ebria-te e sente a sobriedade da vida!

Adanada

3 comentários:

Rui Miguel Félix disse...

(Correndo o risco de ser tomado por em primeva instância comentar, não posso deixar de passar por aqui, aceitar a proposta de brinde, e comentar esta mensagem, belíssima, creativa e especialmente belíssima, daí que, mesmo tarde e a más horas, pego no copo que me ofertam, ergo-o ao nível dos lábios, imagino-o essência em aroma redondo, encorpado, adanado, troco o que não se escreve e que um olhar diz no brinde, e brindo, sim, à sobriedade da vida)

Saúde!

Paulo Borges disse...

Belíssimo! Fílon de Alexandria fala da "sóbria ebriedade" da experiência mística.

paladar da loucura disse...

Contigo ergo o copo, e num momento cego bebo o sopro da vida! Fruto da terra amada seremos depois do vinho regado.