O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 29 de julho de 2010

Oxalá você fosse a mulher da minha vida. 1.

Oxalá você fosse a mulher da minha vida. :)
Oxalá, você visse o lance do guarda-redes espanhol Cacilhas com a sua namorada e, de comoção, chorasse.
Não porque acreditasse que ali existiria um amor eterno, uma relação sólida ou até mesmo uma cumplicidade especial entre os dois mas, simplesmente, porque, naquele instante, naquele pequeno grande instante, nada mais interessou e, saíram os preconceitos, saíram as noções do espaço social onde estavam inseridos, aí, caiu o “social” o “normal” o “tem de ser” – tudo isso se relativizou, ou se realizou à sua verdadeira importância, à passagem desse grande pasmo amoroso. Dirão agora os seguidores de Schopenhauer que, nesse instante, tudo não passaria de vontade de preservação da espécie? Pura orientação biológica? Que aquele seria o fim a que se destinaria?
Como estariam enganados.
Oxalá você já tivesse lido Schopenhauer.

1 comentário:

paladar da loucura disse...

Oxalá você me visse e me adivinhasse como sua mulher. Ah, então eu choraria mal visse o lance do guarda-redes espanhol, Cacilhas.
Naquele instante, não mais que um breve inspirar e você me levaria ao paraíso. Depois, ah depois você me diria que era hora de ir, que você afinal é um homem muito ocupado e que a vida é carregada de responsabilidades. Palavras absurdas viriam da sua boca, antes doce. Você me abraçaria o abraço da despedida, tão conhecido nos nossos dias. Amanhã, sim amanhã será um novo dia, um novo tempo de inspiração e talvez você seja outro e apareça de novo.