O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

PALADAR DA LOUCURA - LANÇAMENTO DIA 18- 18HS. PRÍNCIPE REAL

Prefácio 
“A vida sem fim”

Conheci a poesia intensa de Ethel Feldman quando a sua paixão incendiária e luminosa visitou o meu blogue Serpente Emplumada e o da revista Cultura Entre Culturas. Porque a poesia de Ethel é isso: fogo e luz. Fogo de um amor cuja saudade o recria em tudo e luz de quem redescobre a eternidade dessa fusão a cada instante. Poesia de mulher total, que assume todas as possibilidades do feminino, da carne ao espírito, em seu âmago se celebra o encontro-beijo redentor que suspende a ilusão de haver dois:

“Sou a puta da esquina, sou a virgem Maria.
Se o teu tempo for só de um segundo será nele que inventarei a eternidade.
Se o teu tempo for de um compasso, que seja de pausa, porque urge o silêncio.
Se for um desenho que seja branco – tão intenso.
Eterno é o momento quando me beijas por dentro”

É esse o tempo “sem hora marcada”, o “tempo sem tempo” e por isso “com tempo de ser”, epifania que advém no seio da mais funda embriaguez, essa em que a amada se torna o vinho que o amante bebe, em versos cúmplices da atmosfera do grande Rumi:

“Dá-me vinho antes do amanhecer
Com o cálice a transbordar
Banha-me nele até que embriagada
Eu seja o vinho que agora bebes”

O beijo dos amantes culmina num “eterno abraço” que fulgura no “intervalo” do existir, vazio e espaçoso, “modo de ser sem ser”, pois esta poesia, de paixão e “fogo-posto” sob a pele, também o é de desprendimento, o sapiencial desprendimento da vida que, tal o poema, renasce a cada instante da própria morte e voa ainda para além de si, pela comunhão desse “presente” onde cessa todo o “enredo”:

“Como o poema que nasce em cada estrofe
Morrendo abro caminho à vida”

“Nascer e morrer no mesmo dia. Entre nascer e morrer – voar.
[…]
Qual é o enredo da vida quando se encontra o presente?”

Tal como a vida que há nela, também de si mesma esta poesia se evade, ciente de só se habitar o mundo a partir do tácito abandono das prisões do dizer:

“Se quiseres continuar a estar
Abandona a palavra que te prende”

            Unindo o que visões mais estreitas separam, aqui é a própria paixão que conduz ao cume meditativo em que a presença do mundo se avoluma na consciência de como é “preciosa” essa “vida” que nas mínimas coisas se agiganta, pelos silêncios intervalares que as fazem cintilar na plenitude do vazio que entremostram:

            “Parece que o mundo cresce dia após dia. Uma flor que nunca vi. Uma nota que passou desapercebida. A migalha de pão esquecida na mesa. Preciosa é a vida. Cada intervalo de silêncio ampliado até à plenitude deste imenso e fantástico vazio”

            Tudo isto porque Ethel, ou quem por seu nome assina, vem de “Outras Paragens”, esse “lugar desconhecido” que afinal todos trazemos “mesmo junto do coração”. Se “em cada homem o universo se exibe inteiro”, este belo e comovente livro é também de cada um e de todos nós. Assim nos deixemos adubar da consciência disso, para que, como diz a poeta, em nossa mão também possa nascer uma “flor”, a flor de na sua leitura nos lermos, desencantando esse mais fundo sem fundo que em tudo sem tardar nos espera.
            Obra cuja “façanha” é nascer do coração, bem entremostra toda a imensidade de onde tão singelas e fundas palavras brotam:

            “Quem dera a vida nascesse do fim
            E os que tudo esqueceram
            Amassem quem nunca aprendeu
            Quem dera a vida fosse
            Um leve calafrio na espinha
            Um beijo na boca
            Um tímido ai
            Um dia sem data
            A vida sem fim”

            A vida não é porventura senão isso, Ethel. E este Paladar da Loucura, tão “sem fim” como a vida que canta, confirma o que escreveu Platão:

            “[…] o delírio, segundo o testemunho da Antiguidade, é uma coisa mais bela do que o bom senso: o delírio que vem de um Deus é melhor que um bom senso cuja origem é humana” (Fedro, 244 d).

            Assim é. Assim seja.


Paulo Borges 

7 comentários:

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
platero disse...

é juntar
a salutar vontade de comer
com uma boa refeição
:
Paladar e PB
=
Parceria Brilhante

abraço os dois

saudadesdofuturo disse...

(Escrevo aqui, Ethel, o que escrevi alhures)


Quando desejamos intensamente uma coisa e todas as nossas forças estão concentradas nessa realização, ainda que saibamos como tudo é efémero, acelera-se-nos o coração e o sangue, às golfadas, salta do nosso corpo para o espírito consagrado do verbo. O resto, são os nossos medos e a nossa alma em carne viva.

Se puder lá estar, conta comigo, para fazeres gruta dos meus braços, se receares como me dizes, o acto e a consequente "exposição". Mas como temo não me dar folga, agora, a vida, com tanto trabalho, nesta fase, receando que isso me não permita estar presente, encontrar-me-ás, por certo, se acenderes uma vela ou/e se receberes na jarra dos teus braços uma flor.

Fico tão feliz, pelos Amigos, como se fosse eu, que nada sou sem vós (menos ainda comigo) a sentir as alegrias do momento. Parabéns ao prefaciador que bem soube chegar à interioridade sensualista do paladar delirante da loucura...

Beijos e muito sucesso. Depois me dirás como lê-lo.

paladar da loucura disse...

Perco a memória da palavra à espera de um novo dia em que volte a ser outra e aprenda. Obrigada a todos.
Fausta, MeTheOros, Saudades do Futuro, Platero - adormeço louca.
Um beijo que volta a ser beijo

rmf disse...

Gosto do grafismo, coaduna-se, mas gosto sobretudo, de grande parte de tudo, do que até aqui deu a ler.

Reitero o que disse de início, qualquer coisa semelhante a sentir que muitos dos seus diálogos pareciam ser vozes de e para um palco, poeticamente, ou palavras para actores sequiosos de vida!

Parabéns!

:)

paladar da loucura disse...

Obrigada! Venham mascarados, mas venham e me segredem ao ouvido quem são. Beijos

rmf disse...

:) Um abraço!