O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

LUGAR PRESENTE

A Todos

Cristais surgem
no imprevisível Dia
a névoa veste de igual brancura
ásperas rochas e frágeis construções.
Arrábida traz no ventre
ancestrais murmúrios por decifrar
soam nas cordas do tempo
convento de sonho no beiral do espaço
os pássaros cantam o azul do Sado
a manhã avança
com o brilho da Paz
o Céu acaricia a Serra e o sorriso das Crianças
coroadas dançam no pulsar da Natureza.
Pudesse o momento alcançar a Hora
o Filho consolador
renascer da Pureza
de Natal presente o Amor...

Feliz Natal

2 comentários:

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Borges disse...

Um Abraço, Maurícia!