O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 5 de agosto de 2011

GAFA-NHOUTRO


mimetismo? camuflagem? diversão

4 comentários:

Isabel Metello disse...

Comunhão, simbiose :)

platero disse...

SIM

biose

Ferro Velho disse...

M, W ou VV? É que ultimamente os meus olhos fazem o pino ou entortam indiferentemente de mim. Conversam entre eles e eu sobro, como coisa à deriva da Vvisão, precisando Eela de mim para compor a realidade junto às margens do nariz, fio de prumo da existência. Outras vezes cego e é quando não vejo folhas, nem gafanhotos, nem verde, nem coisa nenhuma a não ser os picos rosas dos gráficos ferrando-me movimentos ocultos de significado sem significado real por falta de referências.

Acordei agora, daí esta lucidez.

platero disse...

pelos vistos
quanto mais endorminhado mais lúcido

sono profundo = paroxismo da lucidez?