O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


terça-feira, 19 de abril de 2011

Sisífo

Filho do vento, do crepúsculo, há sempre um amanhã.

4 comentários:

nenhumnome disse...

Creio ter sido Camus quem escreveu que é preciso imaginar Sísifo feliz. Também acho.

Absurda verdade como a que nos faz entrar pela manhã e “carregar” a pedra brilhante que aqui deixas:
"Filho do vento, do crepúsculo, há sempre um amanhã." ...

O que seja esse “amanhã” ou essa manhã, não sendo apenas connosco, é-o para o outro que em nós carrega essa pedra de luz cega. O que fazemos com ela diz respeito a todos. Está em nós fazê-la cantar, ainda que para dentro de um poço vazio. Porque a vida é um milagre maior que nos transcende, “há sempre um amanhã.” Até não haver o que há, mesmo depois disso…

Um abraço, RMF.

rmf disse...

"Um mundo que se pode explicar, mesmo com raciocínios erróneos, é um mundo familiar. Mas num universo repentinamente privado de ilusões e luzes, pelo contrário, o homem sente-se um estrangeiro. É um exílio sem solução, porque está privado de lembranças de uma pátria perdida ou a esperança de uma terra prometida. Esse divórcio entre o homem e sua vida, o actor e seu cenário é propriamente o sentimento de absurdo."

CAMUS, Albert. 2004. O Mito de Sísifo, ensaio sobre o absurdo. Lisboa. Livros do Brasil. p.20

Quanto ao resto, gratifico sim, a sua força, nenhumnome, pela qual conseguimos visualizar claramente essa luz que nos adentra e nos transpõe etéreos; são os poços altas torres, com água a brotar-lhes do cimo.

Abro os braços, num abraço.
Um abraço fraterno, nenhumnome.

nenhumnome disse...

Recebo nos braços essa pedra a arder, essa água que brota do cimo e transborda: não a do suplício de Tântalo, sedento de ambrósia,mas a que sobe as torres e amanhece, talvez, no mar.

Quanto ao absurdo, reio que é desse mesmo ser estrangeiro e exilado no mundo "divorciado" ou "viúvo" do mundo que brota a mesma pedra iluminada, se quisermos, esquecida, durante o caminho que conduz ao cimo da montanha(condição da mortal humanidade,da sua queda irreversível. É nesse momento de subida, de caminho, que o homem se transcende, ou se esquece de si. Não por escravidão,mas por sua mesma libertação. É por isso mesmo que é preciso imaginar... Sísifo feliz.

Um abraço.

rmf disse...

Agradeço as suas sábias palavras.

Um abraço também.