O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sexta-feira, 29 de abril de 2011

Noite quente em breve chama
a brisa e o cheiro da chuva adiante
por esta vereda passo

altos muros, altas árvores, ao alto o céu
percorro-a, e corro
acorrem as árvores, empurram-se
tocam-me os ombros
pelo labirinto seguem as nossas sombras
ao fundo o guarda abre o portão
não olha para trás, saberá que estou aqui

a correr vou por esta vereda
ao chegar ao limiar abrando
e ao primeiro passo fora do portão recolho-me dentro
lá fora passos largos
cá dentro pausados,
devagar vou-me sentar naquele banco,
pés nus sobre a relva ao entardecer
vejo os pombos, os melros, os pardais no seu canto
e o rio e as estrelas neste recanto

passo por esta vereda
agora que é noite,
o mesmo ao entardecer,
estou onde ficara a aguardar o tempo de estar
estendo-me na relva, ao pé do casal de pombos, dos dois melros, do bando de pardais
e o rio e as estrelas são o fruto que pende sobre as copas destas altas árvores.

por esta vereda passo
e em cada passo parto e sou neste lugar.

4 comentários:

nenhumnome disse...

Sorrio-te, Luiza,detrás dos jardins, e acompanho-te, por veredas adiante, por essa noite "breve chama", por portões que se abrem aos passos dentro e fora do pulsar dos lugares, num continuum de memória, rio vivo de passos onde se está no ser que se está,nos passos de haver e ser, em toda a parte, espaço de sentir, dulcíssimo estar de partir e ficar, sentada na relva do passo e do passar. Ser aqui e em outro lugar, noite de uma tarde anterior, manhã de estar no limiar...

Sorrio-te daqui e de lá.

Glimpse disse...

Muito belo Luiza, tão visual que me senti nessa vereda, escutei esses pássaros e vi e ouvi o ribeiro que corre. A relva é fresca e cheira a verde.

Isabel Metello disse...

Tb adorei- a fusão total com a Natureza que connosco se confunde, apagando o rasto do que dela nos separa. Só assim poderemos ser felizes...

platero disse...

não sei se dizer: "gostei muito"
pode ofender a sensibilidade da poeta

mas é o quanto sinto

beijinho, Luiza