O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


sábado, 9 de julho de 2011

Quadras "platerianas" repentistas e tudo...



Dedicadas a Platero:)

Meia-lua, meia lua!

Meia-lua dos teus olhos

No cento da meia-lua

Cresceu hortelã aos molhos.


No meio desse rosal

Fez um anjo o seu desenho

Se o que fazes levo a mal

É pelo bem que te tenho.


Olhando a minha janela

Vejo dentro a alma tua

Se queres que eu entre por ela...

Meia-lua, ó meia lua!


Maria Sarmento

3 comentários:

nenhumnome disse...

;)

platero disse...

olha,

tão grande quanto inesperado gesto da minha velha e boa amiga

e não é que as quadras quadram mesmo

beijinho, Maria
não te agradeço mas fiquei contente

nenhumnome disse...

Sei. E não é para agradecer. :)

As quadras são mesmo quadra(das) em redondilha maior e cruzadas, como convém, mas há um verso... (como diria o JCN...;)

Abraço, Platero, bons olhos te vejam!