O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 22 de maio de 2011

lâmpada - mas não acendo

os deuses fizeram-me imperfeito
- talvez um pouco em excesso -

como em todo o processo de fabrico
há sempre uma percentagem
de produto
com defeito

22 comentários:

paladar da loucura disse...

no erro me acerto

Safran Maison disse...

A Safran Maison, uma boutique plena de charme e exotismo sita no Estoril, tem o prazer de a convidar e aos seus leitores a que nos visitem. Oferecemos-lhes a oportunidade única de adquirirem móveis, objectos de decoração e acessórios marroquinos de design exclusivo. E o mais fascinante é que aqui podem encontrar um dos segredos da eterna juventude mais bem guardados do Mundo das Arábias - o óleo de Argan, uma essência natural usada pelas grandes marcas de cosméticos como um dos seus componentes basilares. Aqui tê-lo-ão puro, concentrado ou como ingrediente de outros produtos de beleza 100 % naturais, à base de fragâncias exóticas de um branding exclusivo...

Salam Alecom!

Safran Maison

Av. de Sabóia, nº 737-F 2765-58 Estoril 21 468 25 29
safranmaison@gmail.com

Isabel Metello disse...

cada pé um passo:) primeiro almejar a lâmpada, para muito mais tarde poder almejar ter Luz, principalmente quando depois de curto-circuitos :) o importante é não perder o track Ao Gerador :)

platero disse...

Isabel

do que consegui apurar de si, tem se dedicado ao estudo da sociedade de consumo. Não sendo sociólogo - embora licenciado em sociologia - aí vai meu pequeno contributo, minha leitura do ojeto do seu estudo-
Posso?
I
se o mundo estivesse à venda
em qualquer Supermercado
já lá teria a legenda:
não há mais Mundo - "ESGOTADO"

II

fosse o Sol mercadoria
de qualquer Supermercado
Há muito que a luz do dia
se teria eclipsado

III

o dinheiro é metal vil
não tenhamos ilusões
Quem tem mil quer ter cem mil
quem tem cem mil quer milhões

só mais esta, que julgo tipifica espírito consumidor. Talvez mais
- forreta

ganancioso o fulano
ao comprar peixe na Praça
quer levar o Oceano
de preferência de graça

e pronto
muito agradecido pelo seu comentário.

devo alguma coisa?

Isabel Metello disse...

Platero, nao posso dizer o mesmo de si, nada apurei nem pretendo e quando me deparo com pessoas que tentam "apurar" alguem pelos seus proprios filtros adstritos a um "supermercado de estilos", so me da vontade de dar uma valente gargalhada (ja passou o tempo em que me caia uma lagrima no canto do olho - cada gota e ddemasiado preciosa para ser desperdicada com a banalidade e os seus enunciadores :)

Estudei e estudo a matriz da sociedade de consumo, expressa em tantos contextos, com estrategias similares, ainda que com matizes adequaadas ao registo. Interessante notar que um desses tracos distintivos e a perescrutacao do mundo por estereotipos redutores, o que nao deixa de ter a sua graca numa sociedade que semprre os acalentou, talvez por nao ter imaginacao para mais ou sentir-se ameacada por quem nao conhece ou compreende. E o que e a Educacao e a Evolucao Espiritual adstrita que nao o saber-se desconstruir-se a si proprio e aos seus codigos para compreender os dos outros?
Alem do mais, o proprio suporte que usa para promover os seus pensamentos, no sentido de os partilhar :) tem vindo a ser promovido com estrategias que o Platero tao revela menosprezar. Menos mal- cada qal com a sua funcao. como costumo dizer :) "cada macaca na sua tralha"...

Assim sendo, vou tentar reciclar o seu poema tao elevado, reforcando a informacao de que a nao utilizacao de acentos e cedilhas se deve ao uso de um teclado onde estao ausentes :)

I
Ha pessoas e dimensoes na vida
que nunca estarao num supermercado
ainda que sseja dificil a tantos que la estao
Perscrutar na etiqueta inexistente: nao comercializavel/ comeercializado
Triste e vazio aquele que pretende transportar para o jardim dos outros a logica do seu decadente mini-mercado

II

Jamais a Luz do Sol poderao tais objectivantes perscrutar mas tao so a de lampadas artificiais, que juram a pes juntos serem tao, mas tao eco-naturais
Na verdade, estas almas que negam a si proprias aquilo que taanto proclamam nunca almejam ultrapassar a logica do candeeiro de cabeceira, pois mais do que luz tem nos olhos apenas poeira...

III
Na ansia de tudo tentarem nivelar pela logica da marxista "prostituta universal" perdem A Pureza, A Inocencia Primordial, os sonhos, as ilusoes, transformam-se em estereis poltroes
Passando a incorporar aquilo que parecem refutar num desvitalizante auto-panegirico recital...
Como por 30 moedas sao capazes de comercializar o incomercializavel e a sua consciencia afundar
Projectam essa deficiencia animica em todos aqueles que lhe projectam essa ruindade interior sem pestanejar...

So mais esta tb:
Pobre de espirito aquele que assim procede, confundindo a sua matriz com a de quem o precede.
O Sol, O Mar, a Luz e O Luar n##ao sao para olhos de vendedor/ coomprador, mas para os de quem Os Sabe Amar...

"e prontos (pus prontos para que possa ver o seu rotulo um bocadinho actualizado- ja viu como sou boazinha?

muito desiludida pelo seu lamentavel comentário, ja que comecava a simpatizar com os seus escritos que se distinguem de si- ha semprre quem ponha mais ou menos de si no que faz e diz...

Salam Alecom!

Isabel Metello disse...

E como estou cada vezmais praticante dos Processos de Higienizacao em Curso (PHC :) que se caracterizam pela constante limpeza interior de impurezas que vamos captandoo nos ares (uns mais impolutos que outros :), nao posso deixar de fazer um poemazito suplementar:

Curiosa e autodestrutiva matriz cultural esta para a qual e preciso pachorra e sistema imunitario a triplicar,
Na qual os maiores pretensos revolucionarioss sao os legitimos herdeiros de quem o simples nome os faz regurgitar...
Personam ditatorial que dizem tanto renegar que me lembram, um pouco ao contrario, aqueles miudos edipianos que o Pai pretendem aniquilar, mas que propagam aos sete ventos idoolatrar...
Nem se dao conta as almas imberbes que a matriz profunda que explicita a logica da sociedade de consumo que tb dizem detestar e a mesma que explica a perpetuacao dos vicios de falsas beatas sistemicas que so se diferenciam pelo habito que fingem envergar...

Prontos! Ja estou um bocadinho mais ze! Ooooooooooommmmmmmmmmm!

Isabel Metello disse...

ui, tantos erros ortograficos, dado que preferi uma revisao nao actualizar...nao faz mal, assim o brainstorrming vai de certeza ser mais eficaz...mas este nao posso deixar passar, pois perder-se-ia um aspecto primordial :) zen...ufa! bolotas!

Isabel Metello disse...

Hoje, estou incontinente :)) para alem de que, em termos siologicos tal raciocinio explicitar uma das causas profundas do naufragio colectivo que nos esta a mortificar (eu, hoje, estou a versejar quase so com verbos de tema em a- sera um pressagio? :)...

platero disse...

Isabel

prometo não vai desiludir-se mais com meus desagradáveis comentários-

resta-me pedir desculpa pela minha falta de sensibilidade.

já agora, como classificar o seu "assalto" comercial ao meu pobre post
que não aspira a mais do que levar a alguns eventuais leitores elocuções de um anónimo
poeta diletante ?

para dar continuidade ao tom do comentário anterior, prefiro se abastenha de esboçar uma resposta

rmf disse...

Platero, fui brindado também com esta publicidade, Safran Maison, no meu cinzirino! Dá ares de ser spam.

Não posso deixar de comentar o teu poema, dizendo, em apreciação do mesmo, tão-somente, e muito, gosto!

Abraço

e... não resisto a partilhar contigo este ...desassossego...

"Tudo quanto fazemos, na arte ou na vida, é a cópia imperfeita do que pensámos em fazer. Desdiz não só da perfeição externa, senão da perfeição interna; falha não só à regra do que deveria ser, senão à regra do que julgávamos que poderia ser. Somos ocos não só por dentro, senão também por fora, párias da antecipação e da promessa."

Creio que tudo isto está de alguma forma encerrado no éter do teu poema. Todo ele se liberta desse cárcere quando volátil se faz palavra lida. Grato, a ambos os poetas!

Abraço, renovado!

Isabel Metello disse...

Rui, não foi nada spam- apenas actualizei uma estratégia de marketing viral, conforme faço para promover a Revista Cultura ENTRE Culturas, com base num discurso apelativo. É uma das áreas que estudo e que tenho posto em prática. Considero que a mentalidade dominante em Portugal dos pruridos do uso do marketing para promover boas causas e a "cultura" (ponho entre aspas, pois a meu ver, tudo é cultura nada é cultura "é tudo uma questão de dose" :) é totalmente contraproducente. Prova disso é como os ingleses sabem promover os seus museus e património em geral- nós andamos há séculos com esses pruridos e os museus e os monumentos estão às moscas, quando não caem. Para muitos talvez será melhor caírem do que se "venderem" ao marketing, eu cá acho o contrário...
A Safran Maison é uma boutique, logo é comercial, mas tb é cultural, pois lá está o ethos de Marrocos...
Mas, Rui, by all means, se se sente mal pelo anúncio, por favor, delete-o e queira desculpar-me a invasão comercializante :)

Platero, mas voltando ao tema, ainda que não queira voltar a ser indelicada no regime de boomerang que julgo justo (adoro a Justiça, até por algo que, no outro dia, alguém me ensinou- cada um de nós não tem a responsabilidade de arcar com o karma alheio- já temos o nosso! :), não obedecendo, ao seu pedido de silêncio :) aceito as desculpas (gosto de pessoas que sabem pedir desculpa e Perdão, quando caem em si ou saem de si (conforme os casos :)- é um acto digno :), mas quero fazer-lhe só mais esta provocação :)já por várias vezes, quando se me deparo com um tête à tête mais aceso, a outra parte usa como argumento o estatuto de "poeta diletante"...okie dokie (estilo Barbie :), fui ali ao priberam certificar-me do significado do Particípio Presente e a muleta wikipédica assegura-me ser "o amador", no sentido de amante de uma actividade, neste caso da poesia...somos, de facto, um país de poetas- aí vem a provocação :) Será essa uma das causas estruturais do naufrágio colectivo? É que juntar-se poetas diletantes ao síndroma das reunites agudas só pode dar origem à hecatombe. Daí que os povos mais pragmáticos sejam mais straight forward, mais plain- e o que eu gosto da frontalidade, da assunção do que se diz, da verdadeira intenção com que se o diz, tipo aqueles filmes norte-americanos em que o herói/heroína olha nos olhos do opositor e revela-lhe "i´m gonna kick your ass". I.e.,sou apologista do: "batam-me no rosto, mas façam-no com frontalidade" até porque, para se "dar a outra face", tem de se saber de quem é a mão e a razão estrutural da sua trajectória. Caso contrário, é quase impossível fazê-lo. Ora este raciocínio leva-me a outra questão sociológica: será que a tendência dominante do povo português para as indirectas, para além da estereotipificação redutora, terá a ver com a tendencial desresponsabilização individual pelo que se diz e faz, diluindo-se a mesma num discurso algo circular e, fundamentalmente, gregário de identificação e interacção com o outro? Eu creio que sim...

Bem, só para reforçar que uma das vantagens do PHEC é esta- a pessoa não engole o sapo e depois fica tão aliviada que já nem se lembra da sua cor :)

Isabel Metello disse...

E, já agora, volto a reforçar o convite- apareçam na Safran Maison-that is if Morocco is in your heart and you wish to sense it trough its exotic colours and shapes...Salam Alecom!

Isabel Metello disse...

errata :) through

rmf disse...

Ora essa, Isabel. Agradeço a sua partilha publicitária.

Abraços e bons negócios :)

Isabel Metello disse...

Obrigada, Rui, vestindo a camisola :) Inshallah!, que tão bem derivou no nosso oxalá!
Abraço

platero disse...

RUI

grato pelo teu "desassossego" e pela lembrança de me o teres enviado.
Genuíno é o que nos arrasta para o mesmo estado e nos leva a pensar.
O que aconteceu comigo.

simpática também a leitura que fazes do poeminha/rastilho de toda esta prosa-de-artifício.
Tivesse a "mercadoria" da Boutique
de Isabel Metéllo a qualidade (cores-design-funcionalidade)do pobre poeminha, e podia a pirata publicitária começar a pensar em mudar de ramo.

ou de rumo?

Isabel Metello disse...

Platero, para mim e uma autentica bencao poder aqui estar e poder recomecar um novo rumo- a loja nao e minha, sou uma mera balconista e agradeco a Deus esta bencao de aqui poder trabalhar, num sitio fantastico, rodeada de objectos lindisssimos num loja cuja proprietaria e uma empreendedora nata educadisssima e cosmopolita. O meu ramo e o trabalho honesto, sempre digno. Todos nos temos variadissimas valencias- eu sempre adorei atender ao publico- acabei a minha licenciatura a trabalhar numa loja, onde aprendi bastante. Tenho trabalhado em tantas areas e todas elas me enriqueceram. Este e o meu rumo: aprender e trabalhar, em qualquer ramo desde que com dignidade, da qual nao abdico. Passei 3 anos a procurar trabalho de acordo com as minhas qualificacoes sem exito, apenas com uma experiencia esporadica na doocencia universitaria e uma bolsa de investigacao de um pais estrangeiro, depois de acabar a outra bolsa de Doutoramento de que auferia. Estou a acabar o meu doutoramentto que, por razoes da vida privada, sofreu um inevitavel adiamento e garanto-lhe que este trabalho e uma verdadeira bencao! Abraco e desculpe-me a impulsividade do fogo de artificio- os Gemeos sao assim- tem de verbalizar senao entopem :)))

paladar da loucura disse...

se procuramos comunicação intervalada, nada como a lâmpada do Platero para acender as hostes!
Isabel, também achei que era publicidade indesejada e apaguei-a no meu blog - desculpa.

Isabel Metello disse...

Paladar da Loucura, não tenho algo a desculpá-la, está no seu direito-o blog é seu :) se há algo que respeito acima de tudo é a liberdade individual e o respeito pelo outro. Se considerou o anúncio uma invasão cabe-me, agora, a mim pedir-lhe eu desculpas. Faz parte do programa :)

Isabel Metello disse...

Mas tb devo reconhecê-lo, parafraseando um Amigo meu que tanto me ensinou :) é nestes momentos em que a verdadeira essência de cada qual vem ao de cima, em que as palavras revelam naturezas de forma crua, o que é simplesmente sublime, pois por vezes os labirintos verbais ou formais mais não são, de facto, do que meros artifícios para negar Algo ao Evocá-lo sem Ele Lá Estar :) a Vida É Tão Irónica, Ela É que É a Verdadeira Pirata que, em certos momentos, arranca máscaras revelando faces e esses momentos são simplesmente imperdíveis (é tal e qual como os momentos catárticos de um romance! :)...os rumos que adivinhamos nos outros, mas que só reflectem os nossos e que denunciam as autênticas rotas...interessante- esse meu Amigo tb me ensinou que só Almas muito Nobres não avançam quando não são impostos limites...muito interessante tanto em termos de análise psicológica de caracteres como sociológica de tendências!

paladar da loucura disse...

Peço desculpas, Isabel. Com a profusão de publicidade pela internet, nem sempre é fácil não confundir a publicidade. Se errei, volto a pedir desculpas. A tentativa aqui é de partilhar consigo oq ue aconteceu, certa de verá nisso um contributo para que possa passar a sua mensagem de forma a que chegue ao destinário sem que a mesma seja recebida como spam. Nem sempre um parágrafo revela a nossa essência, da mesma forma como a sua partilha, que foi tida por alguns como publicidade indesejada revelou a essência da sua mensagem. Pela minha parte desejo, sinceramente, o maior sucesso para a Safran Maison.

Isabel Metello disse...

Muito obrigada, Paladar da Loucura :)´-não tem de me pedir desculpas algumas, eu entendi o que se passou e já o esqueci totalmente- é uma das vantagens de ser Gémeos, mas para isso nós os nativos deste signo temos de expressar o que nos vai na alma, o que nos torna uns incontinentes verbais (somos difíceis de aturar! :))

Repare, o marketing viral obedece a passos gradativos de posicionamento e, a seguir à criação do blog, deve-se passar ao "passa palavra", através da caixa de comentários e de uso de hiperligações. É isso que faz destas redes sociais mecanismos muito mais eficazes e até mais ecológicos (poupa-se muito em papel :) na promoção de projectos a vários níveis :) religiosos, culturais, comerciais, etc...