O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 30 de agosto de 2009

exaltação



O que há não é melhor nem pior

Não há uma razão suficiente para nada

Nem há um termo de comparação

Nada é suficiente

O melhor dos mundos seria uma contradição medonha

Qualquer mundo é suficiente em si

E em si basta para se ser o que se é

Tudo é excesso

Sem ser excessivo em si

O visível é uma limitação

Até a escuridão não anula a luz

10 comentários:

João de Castro Nunes disse...

Bela prosa! JCN

Paulo Borges disse...

Até a escuridão é a luz!

Abraço

João de Castro Nunes disse...

Só para os cegos! JCN

Paulo Feitais disse...

É, Paulo, eu gosto de lhe chamar claridão e, também, escuridade.
:)

João de Castro Nunes disse...

Para uso próprio, certamente! JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hausto disse...

Que fausto, Fausta!...

Fausta disse...

Então? Que falta de simpatia! Todas as pessoas, independentemente do credo, credo, cor, raça, altura, sexo e largura devem ser bem recebidas, com amor e carinho.

João de Castro Nunes disse...

É uma vergonha vossemecê andar a roubar poemas aos seus alunos!... JCN

Fausta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.