O CAMINHO DA SERPENTE

"Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo [...]".

"Ela atravessa todos os mistérios e não chega a conhecer nenhum, pois lhes conhece a ilusão e a lei. Assume formas com que, e em que, se nega, porque, como passa sem rasto recto, pode deixar o que foi, visto que verdadeiramente o não foi. Deixa a Cobra do Éden como pele largada, as formas que assume não são mais que peles que larga.
E quando, sem ter tido caminho, chega a Deus, ela, como não teve caminho, passa para além de Deus, pois chegou ali de fora"

- Fernando Pessoa, O Caminho da Serpente

Saúde, Irmãos ! É a Hora !


domingo, 9 de outubro de 2011

O Casaco Bege. Divórcio

Porque o texto e os comentários não casam, ficam os comentários para quem tenha paciência e prazer.

46 comentários:

platero disse...

muito interessante

como a sua poesia

beijinho

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Isabel Metello disse...

Paladar da Loucura, gostei muito- recordo ao JCN que o Carácter não tem cor e o facto de ter sido o bombista-escritor, que negou ter participado na elaboração de uma bomba, deixando dois "camaradas" explodirem com ela, a dizê-lo, ainda mais me reforça a ideia...o beige tb não faz parte das minhas cores de eleição até porque para quem tem a tez pálida faz-nos parecer uma nuvem, gosto de cores fortes, mas gostei muito da sua prosa poética e da Alma adstrita...

JCN :) pode deixar um bocadinho o registo supermercado de estilos de vida? Agradecida...

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Isabel Metello disse...

Claro que sim, o Sal e Azar disse-o, até acho que foi mais assim :) "escreve muito bem é pena é ser comunista", o que só demonstra uma capacidade de distanciamento analítico algo rara, embora eu, se tivesse vivido nesse tempo da beatice aguda no seu auge (e hoje tb não está? está, só que é camuflada por máscaras...:), na volta, tinha-me tornado numa turra, mas fá-lo-ia de outra forma...olhe, a propósito, fui testemunha ocular e verbal de um episódio caricato ocorrido com o seu primogénito (do escritor-bombista não de Sua Sumidade:) de ir às lágrimas que bem espelha a educação e descentração implícita do senhor...sabe qual é o pronome pessoal que este revelou venerar? o ego :)será que desvirtuou a raiz? :)vide :) http://slowbusynestsnowfuzzyrest.blogspot.com/2011_09_01_archive.html

Quanto ao panteão, eu que adoro a análise crítica distanciada, não me revolta o estômago estar lá o terrorista avant-garde ( tem hífen? :) (já me revoltou sim, porque julgo que só Camões lá merece estar pois era uma Alma Pura e eu de puro nada perscruto no olhar das fotos do escritor-bombista disponíveis na net, mas depois passou-me, mas à minha Mãe sim, ela a quem desceram 3 valores por ter ido bater as palmas ao Humberto Delgado, em Viseu, ficando, então, na iminência de ser expulsa do Magistério Primário, pois duas delatoras que, provavelmente, depois do 25, se tornaram grandes revolucionárias e anti-fascistas (o que me despanta as pessoas não saberem distinguir fascismo de uma ditadura provinciana...:), resolveram abrir a boquinha (o que vale foi o Director que era um Homem Justo...:). Mas dizia eu- hoje, a minha Mãe diz que está arrependidíssima de ter ido lá louvar quem hoje renegaria, depois de tudo e que é uma afronta o escritor-bombista estar lá...para mim é para o lado que durmo melhor-quando se parte para Lá aí é que são elas...até porque já deve ter reencarnado, quiçá numa vítima de algum atentado bombista (a Lei do Boomerang não Falha e as almas só se querem aprimorar, dirimindo as falhas pretéritas...:)

Sabe quem mereceria muito mais lá estar sepultado? Outra Alma Sublime :) o SEnhor Cônsul Aristides de Sousa Mendes que nunca sonhou em ceifar vidas, mas salvou-as aos milhares de facto...Esse sim até deveria ser canonizado!

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Isabel Metello disse...

Adorei, JCN, até porque mais do que na Avenida dos Justos em Israel, o Senhor Cônsul Está já na Avenida dos Justos Divina, com Deus, pela sua Sublime Descentração. Pôs os Filhos pequeninos a passarem noites a fio tb a trabalhar no processo de salvação de seres humanbos das garras da ignomínia desumana. Foi um Homem de Carácter que morreu na miséria, a queimar as portadas das janelas do seu solar no Inverno para se aquecer e ir à sopa dos pobres, enquanto era desprezado pelos então colegas, as tais víboras sistémicas que se babam com a miséria de Grandes Almas como ele. O Sal e Azar bem que o poderia ter reintegrado, depois da vitória dos Aliados- durante a Guerra, considerou perigoso dado que o acto do senhor Cônsul pôs em risco a política de neutralidade Portuguesa, mas depois, não há explicação possível- um acto desonroso, mesquinho e miserável de gente desumana (mas aposto que houve ali muito veneno metido pelas tais víboras). Mas tb nenhuma das famílias que ajudou o ajudou o que demonstra muito da ingratidão desumana. Se uma Pessoa tivesse feito por mim e pelos meus o que o Senhor Cônsul Fez eu não descansaria enquanto não o visse a si e aos seus bem. E o solar de uma Grande Alma continua ao abandono...Paz à Sua Alma tão Pura e à dos seus que tanto sofreram!
Bem que mereciam um filme em Hollywood pois o que Schindler fez ao pé do que o Senhor Cônsul Fez é como comparar uma gota deágua com um Mar Interminável...pois fê-lo sem algum interesse, pelo Amor Cristão- o Agapé...abraço

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
paladar da loucura disse...

Pouco importa o conteúdo do que se escreve, servem somente de pretexto aos nossos comentadores, que entre elogios e insultos validam a existência.

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
MeTheOros disse...

Por inteiro concordante com Paladar de Loucura, eliminei os meus comentários.

Abraço à poeta.

P.S.
Seria bonito (no mínimo) ver o mesmo da parte de quem o mesmo entenda fazer.

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
MeTheOros disse...

Dado que, para este sr JCN, mesmo das acções mais nobres (refiro-me à da poeta que aqui assina como Paladar de Loucura, não ao eu ter removido os meus comentários, por pura solidariedade e justiça) , dado que este senhor ainda tem o desplante e a presunção de achar que ficam "nódoas", eu resolvo-lhe o problema: apago também todos os seus comentários.
Ficarão aqui apenas as pegadas.

Espera-se que a criatura perceba que deve conter-se, de uma vez por todas. E que cresça em tento.

Para quem (parece) não tem emenda, emenda-se na hora. Ou (até parece que está a pedir de novo) corta-se-lhe a voz aqui no blogue.

João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
João de Castro Nunes disse...

Esperemos que o bom-senso
volte de novo a reinar
neste espaço, como penso
ser "bonito" respeitar!

JCN

MeTheOros disse...

Também espero.

João de Castro Nunes disse...

Quando todos "esperamos",
aberto fica o caminho
para que nos entendamos,
pondo termo ao burburinho!

JCN

MeTheOros disse...

Quem quer ter sempre a "última" palavra é porque nem a primeira logrou conseguir...

João de Castro Nunes disse...

Estás enganado, pá: a primeira palavra foi minha e a última igualmente o há-de ser, mesmo que te dês ao trabalho de a "eliminar"! JCN

João de Castro Nunes disse...

Não sou tipo que me encolha
seja perante quem for:
por questões de pundonor,
nunca enjeito minha escolha!

JCN

MeTheOros disse...

Só se confirma aquilo que eu aqui escrevi:

"Quem quer ter sempre a "última" palavra é porque nem a primeira logrou conseguir..."
Quod erat demonstrandum.

(Fique, pois, aqui nesta Travessa do Fala-Só.
Coitado, o que faz a solidão e a saudade...!!)

João de Castro Nunes disse...

Que baixo desceste, pá!... JCN

João de Castro Nunes disse...

Há tipos tão desprovidos
de qualquer mentalidade
que por vermes sendo tidos
deixam mal a humanidade!

JCN

João de Castro Nunes disse...

Se tens um resto, por mínimo que seja, de amor-próprio, "elimina-te", pá! JCN

João de Castro Nunes disse...

De calhordas está cheio
este mundo, santo Deus!
de evitá-los não há meio,
nem pedindo ajuda aos céus!

JCN

João de Castro Nunes disse...

Que trapalhada gerou
a história deste casaco:
toda a gente se calou,
pondo a viola no saco!

JCN

João de Castro Nunes disse...

A loucura foi-se embora,
porque o paladar perdeu:
haja quem nos diga agora
onde é que ela se meteu!

JCN

João de Castro Nunes disse...

Quem só por uma ironia,
que não faz mal a ninguém,
dá a casca ou se agonia
grande carácter não tem!

JCN